Serviços, ações e programas

A lógica da atuação em redes passa do modelo centrado no hospital, com foco nas urgências, para um modelo centrado em linhas de cuidados com foco na atenção primária ampla e integrada com a atenção especializada.

Por isso, conhecer os diferentes pontos de atenção das Redes de Atenção à Saúde (RAS) e os serviços e dispositivos intersetoriais é fundamental para a organização do cuidado à pessoa idosa, nos territórios.

A atenção domiciliar (AD) constitui uma modalidade de atenção à saúde, substitutiva ou complementar às já existentes, oferecida no domicílio e caracterizada por um conjunto de ações de promoção à saúde, prevenção e tratamento de doenças e reabilitação, com garantia da continuidade do cuidado e integrada às Redes de Atenção à Saúde. O processo do cuidar em AD está ligado diretamente aos aspectos referentes à estrutura familiar, à infraestrutura do domicílio e à estrutura oferecida pelos serviços para esse tipo de assistência.

A Unidade Básica de Saúde (UBS) é o local prioritário de atuação das equipes de Atenção Primária. A Atenção Primária deve ser o contato preferencial dos usuários com o Sistema Único de Saúde, uma vez que é a principal porta de entrada das redes de atenção à saúde. Orienta-se pelos princípios da universalidade, da acessibilidade, do vínculo, da continuidade do cuidado, da integralidade da atenção, da responsabilização, da humanização, da equidade e da participação social. Desse modo, desenvolve-se uma Atenção Primária à Saúde com alto grau de descentralização e profunda capilaridade no território nacional, o que a deixa sempre mais próxima ao cotidiano das pessoas.

Configuram-se como equipes multiprofissionais que atuam de forma integrada com as equipes de Saúde da Família (eSF), as equipes de Atenção Primária para populações específicas (consultórios na rua, equipes ribeirinhas e fluviais) e com o Programa Academia da Saúde. Esta atuação integrada permite realizar discussões de casos clínicos, possibilita o atendimento compartilhado entre profissionais tanto na Unidade de Saúde como nas visitas domiciliares, permite a construção conjunta de projetos terapêuticos de forma que amplia e qualifica as intervenções no território e na saúde de grupos populacionais. Essas ações de saúde também podem ser intersetoriais, com foco prioritário nas ações de prevenção e promoção da saúde.

São espaços voltados para práticas corporais e atividades físicas, promoção da alimentação saudável, educação em saúde, mobilização da comunidade, práticas artísticas e culturais, produção do cuidado e de modos de vida saudável, práticas integrativas e complementares, e planejamento e gestão. Um dos seus valores norteadores é o desenvolvimento de autonomia, equidade, e participação social.

O Centro de atenção psicossocial (CAPS) é constituído por equipe multiprofissional que atua sob a ótica interdisciplinar e realiza atendimento às pessoas com transtornos mentais graves e persistentes e às pessoas com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, em sua área territorial, em regime de tratamento intensivo, semi-intensivo, e não intensivo. O cuidado, no âmbito do CAPS, é desenvolvido por intermédio de Projeto Terapêutico Singular, envolvendo em sua construção a equipe, o usuário e sua família. As atividades nos CAPS são realizadas prioritariamente em espaços coletivos (grupos, assembleias de usuários, reunião diária de equipe), de forma articulada com os outros pontos de atenção da rede de saúde e das demais redes. (Fonte: Portaria nº 3088, de 23/12/2011 – Ministério da saúde).

A Atenção Especializada é composta por um conjunto de pontos de atenção com diferentes densidades tecnológicas para a realização de ações e serviços de urgência, ambulatorial especializado e hospitalar, apoiando e complementando os serviços da Atenção Primária de forma integral, resolutiva e em tempo oportuno.

Os CEOs são centros especializados no atendimento odontológico. Essas unidades contam com equipes formadas por técnicos e auxiliares de saúde bucal e cirurgiões-dentistas. Cirurgias de boca, tratamento de canal, diagnóstico de câncer de boca e próteses dentárias são alguns dos serviços oferecidos.

Os Centros Especializados em Reabilitação oferecem Órteses, Próteses e Meios Auxiliares de Locomoção (OPM) e medidas preventivas de perda funcional, de redução do ritmo da perda funcional e da melhora ou recuperação da função.

Os Serviços de Acolhimento Institucional, ligados ao Sistema Único de Assistência Social (SUAS), têm unidades destinadas ao cuidado de idosos, como as Casas-Lar e as Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPI). Os objetivos específicos desses serviços são incentivar o desenvolvimento do protagonismo e de capacidades para a realização de atividades da vida diária, desenvolver condições para a independência e o autocuidado, promover o acesso à renda, e promover a convivência entre os residentes de diversos graus de dependência.

Rolar para cima