Características da pessoa idosa frágil e/ou vulnerável

Tópico
Materials

Para planejar ações voltadas para a população idosa, é necessário saber não só quantos idosos estão na sua área de abrangência, mas também como classificá-los de acordo com os cuidados que necessitam. A Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa traz as seguintes classificações quanto à capacidade funcional do idoso:

É o idoso que tem sua capacidade funcional preservada. Ele é capaz de realizar sem dificuldades e sem ajuda as atividades de vida diária:

  • alimentar-se
  • fazer sua higiene
  • vestir-se

É independente, mas apresenta algumas dificuldades na realização de atividades da vida diária, como ir ao supermercado ou à farmácia e controlar suas finanças, por exemplo. Esse grupo pede um acompanhamento mais frequente das equipes de saúde.

  • Idosos que apresentem doenças sabidamente causadoras de incapacidade (acidente vascular encefálico; síndromes demenciais e outras doenças neurodegenerativas; etilismo; neoplasia terminal; amputações de membros.);
  • Idosos com pelo menos uma incapacidade funcional básica;
  • Idosos que vivem em Instituições de Longa Permanência (ILPs);
  • Idosos acamados;
  • Idosos que estiveram hospitalizados recentemente, por qualquer razão; Idosos que vivem em situação de violência doméstica;/li>
  • Idosos com mais de 75 anos, independente da sua capacidade funcional; também são considerados em situação de fragilidade.

É importante ficar atento a outras condições locais, não descritas, mas que também possam indicar situação de fragilidade.

Esses critérios podem ser identificados durante as visitas domiciliares e nas avaliações propostas na Caderneta da Saúde da Pessoa Idosa, instrumento importante para o acompanhamento das condições de saúde dessa população.

É importante destacar que a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa – PNSPI aborda a saúde do indivíduo idoso como algo que se traduz mais pela sua condição de autonomia e independência, do que pela presença ou ausência de doença orgânica.

O preenchimento da Caderneta e sua verificação deve fazer parte da rotina dos profissionais de saúde.

Rolar para cima